2
2

Ser líder

Artigo
30/1/2017
Se deseja ser um líder de influência terá de ter uma enorme “paixão” pelas pessoas

Assim como nem todos nascem para ser médicos, futebolistas ou cientistas, também nem todos nascem para ser líderes. Cada um de nós nasceu com “dons” próprios, carisma, perfil único e destino inigualável. E o maior desafio do futuro é descobrimos, hoje, o que nos apaixona e o que nos move: o nosso Destino.

Muito embora o ensino da liderança a todos seja legítimo, e hoje, mais do que nunca, assistimos ao surgimento – quais cogumelos – de cursos, seminários e palestras onde o mote é “venha, e torne-se o líder que nunca foi”, pensar-se que todos podem ser líderes, seja de pessoas, organizações ou nações, entre outros, é falta de bom senso. É por isso que existem muitas pessoas frustradas. Porque, apesar das competências que lhes são reconhecidas, não têm, de todo, perfil para liderar equipas, pessoas ou organizações. Certamente que neste caminho de descoberta, uns poderão vir a ser grandes líderes, enquanto outros poderão ter nascido para serem grandes seguidores, com forte influência e impacto positivo na vida dos seus líderes. Mas é necessário que quem não tem perfil para lidar com pessoas e para as liderar o reconheça. Porque é melhor ganhar um bom profissional do que ter-se um mau líder que, estando fora do seu ADN, a curto prazo, comprometerá o seu bom profissionalismo. No entanto, e deixando aqui um pequeno alerta, ressalvo que muito embora seja importante o conhecimento, é preciso também a consciência de que, por vezes, por mais livros que alguém possa ler, ou seminários e cursos frequentar sobre liderança, há requisitos intrínsecos que não se aprendem nas escolas, nascem com cada pessoa, e que são estes que vão determinar o seu perfil, seja de líder ou seja de seguidor. Mas esta é uma descoberta que só se faz caminhando.

"É melhor ganhar um bom profissional do que ter-se um mau líder"

Mesmo os designados líderes natos necessitam de caminhar, desenvolver e aumentar o seu potencial de liderança, de outra maneira terão apenas capacidades para serem o que seguramente nunca serão. Ora vejamos: o simples facto de eu entrar num avião comercial não faz de mim um piloto, certo? O mesmo acontece com uma pessoa que ocupe um lugar de liderança ou frequente imensos cursos, isso, por si só, não é garantia de que seja ou venha a ser um líder.

"A liderança é lugar para reformistas e visionários. E não para conformistas ou oportunistas!"

Quem, de facto, procura ser líder, e um grande líder, tem de estar centrado na liderança humanística, que coloca as pessoas no centro. Mas há quem busque ser líder apenas pelos cargos, benefícios, regalias e outras compensações. Há quem queira ser líder porque procura ser apreciado. Há outros que buscam a liderança por não saberem bem o que isso implica. Mas, seja qual a for a razão, estas pessoas esquecem-se que ser líder é um enorme desafio que requer um domínio emocional, físico e psíquico forte, equilibrado e monitorizado. A liderança é lugar para reformistas e visionários. E não para conformistas ou oportunistas! Para aqueles que querem ser líderes, influentes e relevantes, como os que precisamos e estamos a criar para o séc. XXI e para os próximos, importa dizer que o centro da liderança são as pessoas! E que o perfil de um líder pode promovê-lo ao sucesso ou levá-lo ao insucesso. Deste modo, além do já destacado ao longo desta crónica, importa ter em atenção dois, de entre muitos, aspectos que considero relevantes na construção de um Líder de Influência:

As pessoas no centro: se deseja ser um líder de influência terá de ter uma enorme “paixão” pelas pessoas. Tudo o que fizer, não obstante a importância de ter bons resultados materiais/financeiros nas organizações, terá de ter como foco as pessoas. São as pessoas que constroem as organizações – se entenderem a visão, o caminho e o perfil do seu líder. É de todo impossível construir uma liderança de impacto e “atraente” se os líderes não tiverem “paciência” para o bem maior, os seus seguidores.

O sucesso dos outros: como líder terá de estar focado no crescimento saudável e no sucesso dos seus seguidores. Um líder relevante entende que a sua relevância acontece quando se pergunta “quem lidera esta equipa fantástica?”. Este é um aspecto com o qual, regra geral, ninguém, ou muito poucos, lidam bem – o sucesso dos outros – muito embora muitos apregoem o contrário. Mas assegure-se que dorme em paz e focado em fazer crescer quem consigo trabalha, sem ter medo de perder o seu cargo. A intemporalidade de um líder começa quando ele coloca no centro da sua gestão o sucesso dos seus seguidores.